ESCRIDELEITURAS: GESTOS QUE TRANSBORDAM INFÂNCIA

Nome: Fernanda Vieira de Medeiros
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 30/01/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Carlos Eduardo Ferraço Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Carlos Eduardo Ferraço Orientador
Jair Miranda de Paiva Examinador Interno
Janete Magalhães Carvalho Examinador Interno
Maria da Conceição Silva Soares Examinador Externo
Maria Elizabeth Barros de Barros Examinador Interno
Maria Regina Lopes Gomes Examinador Externo

Resumo: Uma tese. Canto de ternura. Experiência inventiva que se configura como escrita-ensaio para também pensarmos a nós mesmos nos processos de afirmação da vida. Vida despregada dos modelos hegemônicos da razão instrumental, provocando aberturas, movendo formas. Um encontro com gestos que transbordam infância e invadem o mundo prescrito, buscando desfazer as lógicas das disciplinas adestradas pelas concepções linguísticas invariáveis. Devir-criança, tempo que agencia uma maneira de estar no mundo e de conhecê-lo. Sendo assim, produzimos quais políticas da cognição? Cognição Representacional ou Cognição Inventiva? Estamos entre processos representacionais e inventivos que colocam o problema do conhecer em questão. Entre território de passagem, desafio das aprendizagens investigativas, outras sonoridades: fazer uma experiência com os gestos-afeções que ainda podem ser escritos no aprender como fluxo e não como código; problematizar diferenciados processos escrideleituras das crianças que podem criar outros modos de pensar, de ler, de dizer e de sentir as relações com a escola e com o educativo, bem como cartografar os movimentos territoriais do Centro Municipal de Educação Infantil “Ritornelo” com seus deslocamentos intensivos. Linhas narradas com Deleuze, Guattari, Rancière, Blanchot, Kohan, Corazza, Kastrup, Spinoza, Skliar, Larrosa e outros. Aventura filosófica das pistas do plano conceitual rizomando usos, conversas, processos formativos, invenção, diferença. Composições que evocam a potência dos bons encontros. Podemos inventar? Estamos implicados em fazer durar o que de algum modo escapa da totalidade representativa do código alfabetizador e fragiliza os métodos de aquisição das habilidades de ler e escrever. Portanto, abraçamos escritas e leituras povoadas de gestos-textos. Estilo que gagueja com a força do expressivo. Acreditamos na condição indefinida do que estar sendo criança: modos escrideleituras, uma língua que vibra diferença, um jeito de existir. Cores de poesia, ternura de uma vida que transborda infância.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910